A Teomania.

O que é a teomania?

A teomania como o próprio nome diz, é a atitude que adotamos em nossas vidas, quando deixamos de enxergar Deus e queremos substituí-lo por nós mesmos. Como foi explicado em artigos anteriores, nós a adotamos, quando substituímos a humildade pelo orgulho, e trocamos a realidade por nossas fantasias. Não aceitamos o que é real como base, e queremos transformá-lo de acordo com a nossa vontade. Nós não suportamos enxergar nossa pequenez diante da vida,  por isso  substituímos a realidade,  por uma fantasia de grandiosidade pessoal.

Por exemplo, quando não aceitamos ver  a nossa limitação sexual que é real, de dar e sentir prazer, por uma ideia de poder, onde fantasiamos que somos capazes de satisfazer sexualmente dezenas de mulheres ou homens ao mesmo tempo. Isso é uma grande mentira que nós contamos para nós mesmos. Ninguém tem essa capacidade, mas isso alimenta a sensação de endeusamento que queremos sentir, quando abandonamos o Deus real, por nós mesmos.Essa fantasia é recompensada pelas sensações corporais que ela provoca, como excitação sexual, e com isso fortalecemos o nosso delírio.

O problema da teomania, é que para chegarmos em um estágio em que realmente acreditamos que somos perfeitos, onde pensamos que o mundo deve nos reverencias como um Deus, onde nos vemos incapazes de qualquer ato defeituoso ou mal, muita coisa teve que acontecer em nossa psique. Primeiro adotamos uma atitude de orgulho, onde substituímos a atitude de humildade por uma atitude de prepotência diante da vida. Nessa atitude, nós achamos que a realidade não nos satisfaz como queríamos e podemos fazer bem melhor, só que como não podemos alterar a realidade, mergulhamos em nossas fantasias, fazendo de conta que a estamos modificando. Isso gera um desligamento da realidade em nós, e começamos a deixar de percebê-la. Com isso, vamos perdendo o contato com a percepção da ordem e beleza divina, nos levando a duvidar de Deus e de sua existência. Começamos a lutar com a base da nossa psique, que é a própria realidade. Instigamos a nossa vontade a não crer, o que nos leva a um afastamento do divino. Começamos a nos afastar de Deus, e a não procurá-lo. Como o nosso amor, é um reflexo do divino, quando nos afastamos Dele, esse amor começa a se ausentar dando espaço para o surgimento do ódio a Deus.

O nosso ódio a Deus, é a atitude mais difícil de percebermos, pois surge da negação do real, nos jogando para algo que não existe. Assim como a doença pode ser entendida como a ausência de saúde, o ódio deve ser entendido como a ausência do amor. Por exemplo, você consegue imaginar um homem totalmente saudável, forte, eterno. Mas tente imaginar um homem completamente doente, sem nenhum resquício de saúde nele. Isso é impossível. Simplesmente esse homem não existiria. E é assim que devemos entender o ódio. Podemos imaginar um ser totalmente amoroso, que seria o próprio Deus ou a Nossa Senhora. Mas tente imaginar um ser que seria puro ódio, você não conseguiria. Podemos até pensar em satanás, mas temos que ver que a eternidade dele, vem diretamente do amor de Deus. Então nem satanás consegue existir, se não fosse o amor e a fidelidade de Deus.

Continuando, quando nos afastamos de Deus, nós começamos a nos encher de ódio, e adotamos uma atitude de inveja do criador que nada mais é do que, uma atitude de rejeição de Deus e de tudo que o represente. Essa atitude nos leva a rejeitar qualquer coisa que nos dê uma consciência maior de Deus. Simplesmente recusamos enxergá-lo aonde quer que ele esteja, e essa atitude impede que nos aproximemos Dele, nos levando a uma inconsciência da nossa realidade  e dos nossos defeitos. Quando nos afastamos de Deus, não nos enxergamos mais, e como resultado disso, começamos a nos achar a própria perfeição na Terra, ou melhor dizendo, começamos a nos achar os próprios deuses. E assim, começamos a agir de forma destrutiva, maluca, incoerente, inevitavelmente nos levando à destruição.Podemos citar alguns exemplos:

- NAS EMPRESAS : podemos citar um empresário, que se acha supercapaz, pronto para multiplicar por dez a sua empresa, e começa a comprar e se endividar loucamente, levando-o à ruína. Agride seus funcionários, toma medidas amalucadas que todos sabem que vão destruir a empresa no futuro achando que só ele é capaz de enxergar o futuro, devido à sua divindade.

Só fazendo um parênteses, as nossas faculdades de administração estimulam essa atitude de loucura ao extremo, com a pseudo psicologia do ‘você pode tudo’, ‘só depende de você’. O que eu observei, foi que a pessoa que procura uma faculdade de administração já tem uma certa tendência à teomania, que é reforçada por seus professores. A sorte é que para se ganhar dinheiro, a pessoa tem que se colocar na realidade, por mínimo que seja, para saber o que  está fazendo. E com o tempo, as pessoa tendem a se acalmarem. Se não fizerem isso, a falência e a destruição da própria carreira se torna inevitável.

O funcionário teomânico, é incapaz de obedecer a uma ordem, a hierarquia, pois considera uma diminuição da sua divindade obedecer aos outros. Ataca os clientes da empresa com o seu mau atendimento, com a intenção de prejudicá-la. Acha que a empresa não é digna de sua grandeza, da sua atenção, e que foi talhado para grandes obras, e não para em uma empresinha qualquer. Desrespeita-a tanto, que a desonestidade se torna justificável. Eu tinha um professor de contabilidade na faculdade, que tinha seus 82 anos, quase todos dedicados a essa arte, que sempre me dizia: – Sabe qual a maior problema de todas as empresas do Brasil? O roubo. Um empresário de sucesso, precisa saber equilibrar sua equipe, pois por mais que ele não acredite, ele depende dela. E o maior critério para se montar uma boa equipe é justamente esse. A quantidade de teomania que ele carrega dentro de si. Houve na área de administração a hipervalorização do talento, mas isso se mostrou uma falácia. É verdade que as pessoas apresentam talentos para exercerem determinadas funções, mas ele não está acima da humildade. Se não você acaba contratando um louco, e colocando toda a sua esperança nele. O resultado pode ser catastrófico.

- NAS UNIVERSIDADES:

PROFESSORES que acham que são capazes de falar sobre todos os assuntos, que se colocam acima do estudo e querem tirar todo o conhecimento da própria cabeça. Acham que todos devem acompanhar seus delírios, e tentam ensinar os seus alunos sem uma base real, sem fatos ou elementos reais que os alunos podem enxergar.

ALUNOS que não suportam a hierarquia e não têm a humildade para ficarem quietos, aprenderem e respeitarem seus professores. Se julgam acima de qualquer conhecimento que os professores podem trazer para aclasse. Não admitem que estão lá para aprender, e não se sujeitam a qualquer ser humano.

- NAS FAMÍLIAS: O MARIDO que trai sua esposa ou a desrespeita, por considerar que suas vontades estão acima dos sentimentos dela.

AS ESPOSAS, que se sentem humilhadas de ter que aceitar a opinião dos seus maridos, e os criticam constantemente, criando um clima de guerra permanente dentro do lar.

- NAS IGREJAS: PADRES que rejeitam a orientação desenvolvida por 2000 anos pelos grandes gênios da humanidade, achando que são antigos, atrasados  e que ele sim, é o cara que vai levar a igreja para novos patamares de modernidade.

FIÉIS que vão lá, não para se tornarem devotos de Deus, mas para se sentirem santos e se auto adorarem como grandes seres que pensam que são.

E assim, percebemos que todos nós, sem excessão somos extremamente teomânicos. Nos achamos grandes seres, inteligentes, espertos, capazes de levar o mundo para uma grande evolução. E isso, acreditem, é fruto do NOSSO INCRÍVEL ÓDIO POR DEUS. Se você for uma daqueles que acha que ama Deus perdidamente, está na hora de começar a desconfiar de si mesmo.

 

 

You can skip to the end and leave a response. Pinging is currently not allowed.

Leave a Reply